Pelos animais, o planeta e a humanidade.
Prada torna-se “fur-free” em 2020 mas nem tudo são boas notícias
Prada deixará de usar peles já a partir da próxima coleção feminina, em fevereiro de 2020.

Prada torna-se “fur-free” em 2020 mas nem tudo são boas notícias

A luxuosa marca de roupa italiana anunciou que deixará de usar peles já a partir da próxima coleção feminina, em fevereiro de 2020.

O anúncio é o resultado de uma colaboração com a Fur Free Alliance, uma coligação de mais de 50 organizações de proteção animal de 40 países, que liderou uma campanha para pressionar a Prada a ficar livre de peles em 2018.
Segundo Miuccia Prada, a presidente da marca, focar em materiais inovadores vai permitir explorar novas fronteira do design criativo, ao mesmo tempo que atende à exigência por produtos éticos.
Joh Vinding, presidente da Fur Free Alliance, aplaudiu a decisão e diz que o Grupo Prada com as suas marcas se une agora a uma lista crescente de marcas livres de peles que estão a responder às mudanças de atitude dos consumidores em relação aos animais.

Apesar deste grande passo, a Prada esclareceu à CNN que a decisão é limitada a peles e que continuará a vender couro (leather) e outros produtos que são considerados um subproduto do comércio de carne.

A PETA parabeniza a marca através de um comunicado, acrescentando que agora deve seguir os passos da Channel e remover também as peles exóticas obtidas cruelmente. Para a PETA, “a maioria dos compradores já não deseja usar nada de qualquer animal que foi eletrocutado, espancado e morto.”

Close Menu